Birds of Prey

Quase quatro anos após o lançamento do criticamente mal recebido Suicide Squad, eis que surge uma sequela. Mas a polémica estava à espreita.

Apesar de contar com a personagem mais popular de Suicide Squad (Harley Quinn) como protagonista, Birds of Prey prometia lançar a divisão nos espectadores sob vários aspectos, sendo o mais flagrante o assumido foco num elenco maioritariamente feminino. Que público-alvo pretenderia então atingir Birds of Prey, tendo em conta que boa parte dos leitores (e espectadores) de comics são do sexo masculino? Os trailers não me tinham parecido nada promissores, mas as notas e boas críticas começaram a aparecer, para minha surpresa, despertando um interesse que até então não tinha tido no filme. E foram-se acumulando e acumulando… até que chegou a hora de ver o filme. Continue lendo “Birds of Prey”

Doctor Sleep

Em 1980, via a luz do dia aquele que é, a meu ver, o melhor filme de terror da história. Baseado na obra homónima de Stephen King (mas com um argumento que extirpa muitos dos seus Kingismos), e com a direcção do genial Stanley Kubrick, The Shining é um marco na história do cinema e também na minha vida. Cravejado de imagens, sons e frases marcantes, e contando com um Jack Nicholson extraordinário no papel do protagonista Jack Torrance, é quase impossível algum filme chegar aos calcanhares de The Shining. Um filme que exsuda qualidade e inquietude… mas que, curiosamente, o rei do terror, talvez incomodado por tantas mudanças à sua obra e ao espírito da mesma, sempre desdenhou. O livro de King era bom, mas o filme de Kubrick foi superlativo, transcendendo fronteiras de género e nicho. Seria quase sacrilégio fazer uma sequela. Continue lendo “Doctor Sleep”