Melhores filmes de 2018 – Top 10

O top 10 que se segue tem em conta os seguintes factores:

– tal como habitual, estão excluídos do meu top filmes que estrearam em Portugal em 2018, mas nos Estados Unidos em 2017, o que deixa de fora da lista filmes que vi no início do ano, entre os quais “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”, “The Shape of Water” e “The Killing of a Sacred Deer”, todos estes filmes teriam boas chances de entrar no top.
– vi 23 filmes este ano, menos um do que no ano passado, mas infelizmente como consequência do ponto anterior ficam fora da lista filmes que só terão estreia por terras lusas em 2019 e que tinham boas hipóteses em teoria de serem mencionados (“Green Book”, “The Favourite”, “The Mule”, “Destroyer”, “Vice”, etc.);
– se acharem que um filme foi muito bom, mas não está no top, provavelmente não o vi (ou não o achei tão bom como vocês);
– a ordem pela qual os filmes se encontram e os filmes que estão na lista são da minha exclusiva responsabilidade e reflectem apenas e só a minha opinião (são livres de ter opinião diferente, desde que mantenham o respeito);
– anexado a cada filme neste top vou meter um link para a respectiva review.

A contagem começa: Continue reading “Melhores filmes de 2018 – Top 10”

Melhores filmes de 2017 – Top 10

O top 10 que se segue tem em conta os seguintes factores:
– tal como habitual, estão excluídos do meu top filmes que estrearam em Portugal em 2017, mas nos Estados Unidos em 2016, o que deixa de fora da lista filmes que vi no início do ano, entre os quais La La Land, Moonlight, Manchester by the Sea e Silence (e todos entrariam no top 10);
– vi 24 filmes este ano, mais do que no ano passado, esperando com isso obter uma melhor lista, infelizmente como consequência do ponto anterior ficam fora da lista filmes que só terão estreia por terras lusas em 2018 e que tinham boas hipóteses em teoria de entrar nesta lista (“The Shape of Water”, “Three Billboards Outside Ebbing, Missouri”, “Call me by your name”, “Lady Bird”, etc.);
– se acharem que um filme foi muito bom, mas não está no top, provavelmente não o vi (ou não o achei tão bom como vocês);
– a ordem pela qual os filmes se encontram e os filmes que estão na lista são da minha exclusiva responsabilidade e reflectem apenas e só a minha opinião (são livres de ter opinião diferente, desde que mantenham o respeito);
– anexado a cada filme neste top vou meter um link para a respectiva review.

Assim sendo, aí está o meu top de melhores filmes de 2017: Continue reading “Melhores filmes de 2017 – Top 10”

What We Do In The Shadows (2014)

Em “What We Do In The Shadows” dos neozelandeses Taika Waititi e Jemaine Clement, uma equipa de filmagens desloca-se a uma mansão nos subúrbios de Wellington na Nova Zelandia com o intuito de fazer um documentário sobre como vivem os quatro vampiros que partilham essa mansão. A melhor forma de descrever este filme, é como uma mistura entre “The Office” e “Entrevista com o Vampiro”. Se por acaso a junção parecer estranha é porque é, e o maior elogio que pode ser feito á dupla de realizadores e escritores é que funciona na perfeição.

Continue reading “What We Do In The Shadows (2014)”

Melhores filmes de 2016 – Top 10

O top 10 que se segue tem as seguintes limitações:
– Só vi 17 filmes este ano, como tal apenas 7 deles ficaram fora do top;
– Tento manter um critério ao fazer o top, não incluir filmes que saíram para o cinema em 2015 nos Estados Unidos da América, o que normalmente deixa excelentes filmes fora do meu top, porque em Portugal há a tradição fortemente sustentada numa visão economicista do cinema que é mais rentável lançar filmes “oscarizáveis” cerca de um mês antes da cerimónia dos Oscars, como tal este ano The Revenant (que seria potencialmente considerado o melhor filme de 2016 e 2º melhor filme de 2015 por mim ficou fora de ambos os tops) e The Hateful Eight (entraria em postos altos em ambos os anos) ficam excluídos do top;
– Se acharem que um filme foi muito bom, mas não está no top, provavelmente não o vi (ou não o achei tão bom como vocês);
– A ordem pela qual os filmes se encontram e os filmes que estão na lista são da minha exclusiva responsabilidade e reflectem apenas e só a minha opinião (são livres de ter opinião diferente, desde que mantenham o respeito);
– Anexado a cada filme neste top vou meter um link para a respectiva review, no entanto existem 2 filmes (10 Cloverfield Lane e Deadpool) que vi antes da criação do blog, como tal o link estará ausente nestes dois.

Assim sendo, aí está o meu top de melhores filmes de 2016: Continue reading “Melhores filmes de 2016 – Top 10”

Swiss Army Man

Um homem preso numa ilha deserta está prestes a por fim a sua vida por enforcamento. Na praia avista um cadáver que se peida. Com uma renovada esperança o homem preso na ilha acaba por utilizar o cadáver como um jet-ski propulsionado a flato, e montado neste seu novo amigo ruma para a liberdade. Se este pequeno parágrafo parece incrivelmente bizarro, ou mesmo estupido, a culpa não é minha, é apenas porque é assim que começa Swiss Army Man, realizado por Daniels, com interpretações de Paul Dano (Hank o homem perdido) e Daniel Radcliffe (o cadáver).

Continue reading “Swiss Army Man”

Arrival

Um dos filmes mais aclamados pela crítica em 2016, Arrival (horrivelmente traduzido na versão portuguesa para O Primeiro Encontro, o que soa mais a qualquer coisa envolvendo um romance, se queriam ir por uma ideia similar mas mais adequada diria que O Primeiro Contacto seria uma solução superior) é o mais recente filme do realizador canadiano Denis Villeneuve, sucedendo aos igualmente bem recebidos Enemy, Prisoners e Sicario (e futuramente iremos vê-lo, se não houver mudanças de última hora, ao leme da muito aguardada sequela de Blade Runner). Continue reading “Arrival”

Doctor Strange

O mais recente filme da Marvel é mais uma origin story. No entanto, Doctor Strange apesar de no seu âmago manter o motor usual de qualquer filme que retrata as origens de um super-herói, tem a revestir esse muito revisitado núcleo uma crosta faustosa, que assenta firmemente nas interpretações dos seus actores principais e também nos absolutamente estupendos efeitos visuais, que desde já declaro como possíveis vencedores da respectiva categoria nos Academy Awards. Continue reading “Doctor Strange”