Tenet

Foi com grande alegria que voltei aos cinemas (e ao formato IMAX), quebrando assim um interregno de mais de cinco meses privado de algo que tanto gosto, ver um filme numa sala de cinema. E que melhor proposta para esse regresso poderia existir do que o mais recente filme de um dos meus realizadores favoritos, Christopher Nolan.

Tenet prometia salvar a indústria do cinema, em crise devido à pandemia e praticamente limitada aos formatos digitais, mas seria o seu misto de James Bond com Memento, misturando alguma da magia visual de Inception, bem sucedido? Ou teríamos um retrocesso para Nolan depois do excelente (mas algo divisivo entre os fãs do realizador, pela temática e abordagem atípicas) Dunkirk?

Continue reading “Tenet”

Source Code (2011)

Aquando da minha review a Moon, já tinha mencionado o segundo filme da carreira de Duncan Jones, Source Code. Tendo revisto o filme recentemente, resolvi também aqui dar a minha opinião acerca de Source Code.

Depois de uma estreia brilhante e auspiciosa com Moon, eram enormes as expectativas geradas para ver se Jones confirmaria no seu segundo projecto todo o talento que Moon parecia augurar. Seria Source Code a afirmação de Jones ou uma desilusão? Continue reading “Source Code (2011)”

The Old Guard

Baseado na graphic novel homónima de Greg Rucka e com argumento do mesmo, The Old Guard tem sido o filme mais falado de Julho, beneficiando de dois factores, a falta de diversidade e de oferta nos cinemas devido à pandemia que afecta presentemente o mundo, sendo que nos Estados Unidos da América os cinemas ainda continuam fechados, e também da notoriedade cada vez maior da Netflix, que distribui o filme a nível global. Assim e graças à presente conjuntura, um filme que dificilmente seria notado em época normal passa a andar nas bocas do mundo. E a verdade é que, regra geral, tanto críticos como público pareciam gostar dos atributos de The Old Guard. Quanto a mim, o trailer parecia-me mostrar um filme de acção normalíssimo, algures na fronteira entre um Blade, um John Wick e um Atomic Blonde, mas sem muitas opções e com algum tempo livre, resolvi dar uma chance a The Old Guard. Continue reading “The Old Guard”

Terminator: Dark Fate

Terminator 2: Judgement Day é provavelmente um dos filmes mais marcantes da minha adolescência. Judgement Day foi uma sequela praticamente perfeita para o filme que lançou James Cameron para a ribalta, o inovador misto de ficção científica e acção Terminator, de 1984, conseguindo mesmo superar o filme original, na minha opinião, tendo ao leme um Cameron já mais maduro e seguro de si… Mas depois a franchise começou a encalhar. Continue reading “Terminator: Dark Fate”

John Wick: Chapter 3 – Parabellum

John Wick regressa para o terceiro capítulo das suas aventuras cinematográficas com Parabellum, mantendo praticamente a mesma equipa do segundo filme da agora trilogia. Mas será que a saga de filmes mais bem sucedida para o veterano Keanu Reeves desde The Matrix continuaria a manter o vapor dos dois primeiros capítulos?

Depois de ter sido Continue reading “John Wick: Chapter 3 – Parabellum”

Alita: Battle Angel

Um projecto deixado na gaveta de James Cameron durante largos anos finalmente vê a luz do dia. Alita: Battle Angel é a adaptação ao cinema de Gunnm, uma manga dos anos 90 da autoria de Yukito Kishiro. Apesar de durante muito tempo se ter dito que seria o próprio Cameron a dirigir o filme, foi Robert Rodriguez (que tem um percurso bem mais irregular entre sucessos e fracassos) a ficar com esse posto, cabendo a Cameron o argumento e a produção de Alita: Battle Angel, contando ainda com a mesma equipa que esteve envolvida com os incríveis efeitos especiais de Avatar. Continue reading “Alita: Battle Angel”

The Predator

O quarto filme da saga iniciada em 1987 com Predator, o pouco imaginativamente intitulado The Predator sai para as salas de cinema mais de duas décadas após o excelente misto de acção, thriller e ficção científica que tinha Arnold Schwarzenegger como protagonista.

Predator foi um dos filmes favoritos da minha adolescência, visto e revisto repetidas vezes na velhinha cassete VHS Continue reading “The Predator”

Mission: Impossible – Fallout

Quando o primeiro filme de Mission: Impossible saiu para os cinemas em 1996 (adaptando a famosa série dos anos 60), poucos imaginariam que mais cinco filmes veriam a luz do dia ao longo de mais de duas décadas, mantendo o mesmo protagonista em Tom Cruise (no papel de Ethan Hunt) e com popularidade crescente tanto a nível crítico como de espectadores (se abrirmos uma excepção para o passo em falso que foi o filme de John Woo que serviu de sequela ao original de Brian De Palma), passando a ser no presente o maior rival para a franchise James Bond (já que os filmes de Jason Bourne têm estado em queda recente) na área dos filmes de acção e espionagem. É cavalgando a onda positiva que foi Mission: Impossible – Rogue Nation (em minha opinião o melhor de todos os filmes da franchise) que nos chega assim Mission: Impossible – Fallout, que é uma sequela perfeita para Rogue Nation em vários aspectos, nomeadamente o facto de o enredo começar onde o de Rogue Nation acaba, mantendo a maioria do elenco em ambos os filmes, bem como o mesmo realizador e argumentista em Christopher McQuarrie. Continue reading “Mission: Impossible – Fallout”

The Equalizer 2

A sequela de The Equalizer, o filme modestamente bem sucedido de 2014 adaptado de uma série homónima dos anos 80 e com Denzel Washington a fazer um papel típico dos últimos filmes de Liam Neeson, marca a primeira vez que o consagrado actor norte-americano participa numa sequela a um dos seus próprios filmes. Uma excepção algo bizarra à regra, uma vez que o filme de 2014 não tinha sido um êxito transcendente, tanto a nível crítico como de bilheteira, mas a que não será estranha a amizade de Washington com o realizador Antoine Fuqua, bem como a proliferação de filmes similares nos últimos anos, desde o John Wick de Keanu Reeves aos múltiplos filmes com Liam Neeson, passando por outros com actores como Mel Gibson, Bruce Willis ou mesmo Sean Penn, em que um homem mais velho que o usual em filmes de acção enfrenta um verdadeiro exército em alguns casos e derrota-o sozinho, lembrando um renascimento de fenómenos como os clássicos Death Wish de Charles Bronson. Continue reading “The Equalizer 2”

Mission: Impossible – Fallout

É frequente ao falar de cinema referir a lei dos rendimentos decrescentes, no fundo conforme o numero de filmes de um franchise sobe, a qualidade e o interesse que temos nele desce. Missão impossível é uma das excepções á regra. Depois de um primeiro filme interessante o meu interesse morreu totalmente, em particular graças ao horrível MI 2. Quando já não dava nada por estes filmes acabei por ser surpreendido pelo quanto gostei do quarto filme “Ghost Protocol” e pelo excelente “Rogue Nation”. Não deixa de ser interessante que cheguemos portanto á altura de sair o sexto filme com a popularidade do franchise no máximo.
Continue reading “Mission: Impossible – Fallout”